Notícias

Artigo: Sua instituição está preparada para o PIX?

Com previsão para entrar em operação ainda em novembro deste ano, as instituições financeiras estão na corrida para testes e adequações de sistemas

A fase dos testes obrigatórios para as instituições que optaram ou necessitam participar do PIX – sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central – está em andamento e é uma das mais importantes para alertar sobre possíveis riscos e falhas de sistemas, que possam comprometer o seu pleno funcionamento daqui a alguns meses.

Em junho, a iniciativa conquistou a adesão de quase mil prestadores de serviços de pagamentos (PSP), instituições financeiras (IF) e instituições de pagamentos (IP), sendo que cerca de 120 solicitaram participação direta na plataforma. O restante deve se conectar indiretamente, por meio de quem está ligado ao sistema.

Para a integração, é preciso ter uma infraestrutura de conectividade de alta disponibilidade que siga as exigências de segurança e especificações do setor, além de um ambiente robusto para a hospedagem das aplicações desenvolvidas. O custo de investimentos com implantação, manutenção e gerenciamento especializado pode acabar sendo alto para quem optar por realizar internamente.

Desde que o PIX foi anunciado, diversas instituições buscaram fornecedores de tecnologia para atender aos requisitos do sistema, que facilitará a transferência de valores entre pessoas, empresas ou governos, funcionando 24 horas por dia, sete dias por semana. 

A melhor forma de cumprir estas exigências é buscar um fornecedor que esteja inserido no ecossistema financeiro, com expertise para atendimento e suporte específicos, adequação às regulamentações e normas (compliance) e, principalmente, que já esteja conectado aos principais órgãos necessários para o funcionamento de todo o mercado.

É o caso da RTM, maior provedora de serviços para integração do mercado financeiro, oferecendo infraestrutura de telecom e TI que podem simplificar esta adaptação, como SD-WAN, conexão dedicada com nuvens públicas, Cloud Privada e Hub para a conexão ao sistema de liquidação centralizada para arranjos de pagamentos.

Fornecedor de tecnologia especializado no mercado

A RTM reúne em sua rede privada mais de 500 instituições financeiras e os principais provedores do mercado (CIP, B3, Selic, Sisbacen, ABBC, Tecban etc.), além de ser uma das fornecedoras da estrutura de gerenciamento da RSFN (Rede do Sistema Financeiro Nacional).  Isso significa que a empresa que utiliza os seus serviços estará conectada ao ambiente financeiro completo, podendo se valer da mesma infra para acesso ao PIX e Open Banking. 

Por meio do cloud link da RTM, serviço de conectividade às nuvens públicas, é possível ter acesso direto e seguro ao PSTI PIX da JD. Já o RTM Hub, possibilita conectividade privada e segura para a comunicação com a CIP, para liquidações das operações de cartão de débito, crédito e antecipação de recebíveis.

Um importante fator a ser considerado neste momento é o reforço da segurança contra fraudes ou possíveis ciberataques, evitando vulnerabilidades no sistema. Com o PIX, as transações passarão a ser realizadas a qualquer momento do dia, isso exige que a instituição redobre sua atenção para a disponibilidade do serviço e segurança para garantir a proteção de seus dados e de seus clientes. A RTM conta com serviço anti-DDoS aplicado aos links de internet, que garante proteção contra ataques de negação de serviço (DDoS) e monitoramento ininterrupto para identificar quaisquer comportamentos suspeitos na rede, realizado por SOC (“Security Operations Center”, Centro de Operações de Segurança) próprio com equipe altamente especializada.

Estar preparado para se conectar ao PIX vai exigir que as empresas invistam em soluções inteligentes e contar com um fornecedor qualificado para atender instituições financeiras é o mais indicado para quem quer ter segurança e eficiência, sem perder o foco no que é mais importante para o negócio.

 

 

Luiz Fernando Jardim é gerente de Produtos e Preços da RTM

• Mais notícias •

ANPD: como a Autoridade vai atuar na aplicação da LGPD

O Senado Federal aprovou, no dia 20 de outubro, o Conselho Diretor da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão que funcionará como um regulador e fiscalizador da LGPD. Os nomeados para o conselho

RTM HUB Registradoras: nova funcionalidade

Com a entrada em vigor, no próximo dia 3 de novembro, da Circular 3.952 do Banco Central, exigindo que credenciadores e subcredenciadores enviem para registradoras suas agendas de recebíveis de cartões de crédito, a RTM

O que é ESG e quais seus impactos no setor financeiro

Um conceito que vem ganhando cada vez mais evidência no mundo dos negócios e, em especial, no setor financeiro é o ESG (Environmental, Social and Governance), ou ASG (Ambiental, Social e Governança corporativa), como é