fbpx

Notícias

Artigo: SD-WAN, a rede que veio para simplificar

Passamos por diferentes gerações de redes – Frame-Relay, MPLS – agora, a nova onda é o SD-WAN um acrônimo para Rede WAN Definida por Software. Mas por que este novo conceito de rede está dando tanto o que falar? O que muda em relação as redes convencionais?

Vamos começar entendendo o segredo de toda esta flexibilidade proporcionada pela virtualização da rede WAN.

A arquitetura SD-WAN é baseada em uma rede Overlay segura, ou seja, uma rede lógica em cima de uma ou mais redes físicas, sempre estabelecendo um túnel criptografado entre as localidades. Esta característica permite que as empresas utilizem diferentes tipos de acessos na comunicação entre matriz e filiais, pois o algoritmo utilizado no SD-WAN verifica e seleciona o que responde mais satisfatoriamente naquele momento, garantido assim sempre a melhor performance da rede. Desta forma, podemos ter simultaneamente acessos como Internet ADSL, MPLS e 4G/LTE, funcionando de maneira eficiente e proporcionando uma resiliência bem mais efetiva que nas redes atuais, garantindo que aplicações mais sensíveis, como voz e vídeo, funcionem com excelente qualidade.

Diferente das redes WAN convencionais, em que a inteligência da rede é distribuída entre os roteadores e switches, o que torna a sua implantação lenta e administração complexa, as redes SD-WAN inovaram este conceito, passando a inteligência para um ponto centralizado e em nuvem, chamado Orquestrador, que é responsável por toda a configuração e gerência da rede. Isso torna a sua implantação e administração simples e ágil e permite que se tenha uma visão total da rede, facilitando muito o dia a dia da operação do ambiente.

Outro ponto interessante na solução SD-WAN é que ela foi pensada para funcionar também diretamente ligada à Internet e por isso, possui nativamente funcionalidades de segurança suficientes para proteger o tráfego, e, para os mais exigentes, a maioria das soluções do mercado oferece um firewall virtualizado, tornando essa proteção ainda mais robusta. Vale destacar que, dependendo do fornecedor da solução, o dispositivo que fica instalado em cada ponto da rede, pode ser tanto físico como virtualizado em hardware de terceiros, dando ainda mais flexibilidade a sua implantação, pois pode ter a sua configuração automatizada, através de perfis pré-definidos.

As redes SD-WAN ajudam no processo de transformação digital das empresas, pois garantem uma comunicação segura, confiável, estável, com maior disponibilidade, visibilidade e menor custo. Proporcionam ainda aos usuários uma excelente experiência de uso das aplicações utilizadas no negócio.

Não é à toa que a adoção do SD-WAN está crescendo exponencialmente em todo mundo. Segundo o IDC Brasil, só neste ano de 2019, mais de 40% das maiores empresas do Brasil devem adotar esta tecnologia.

O aumento da oferta por diferentes fabricantes e fornecedores, que enxergaram uma excelente oportunidade de negócio, vai ajudar na popularização desta tecnologia e consequentemente baixar os custos atuais de implantação e manutenção

Cláudio Henrique de Paula Tourino, Gerente de Engenharia de Redes da RTM
*Cláudio Henrique de Paula Tourino é Gerente de Engenharia de Redes da RTM

• Mais notícias •

100ª reunião de Conectividade & Cloud na ACATE

O Diretor de Operações da RTM, Carlos Roberto Teixeira, participou, no dia 19 de fevereiro, da 100ª reunião da Vertical de Conectividade & Cloud da ACATE – Associação Catarinense de...

Ferramentas para traders: otimização de processos

As atividades em uma instituição financeira são constantes, aceleradas e intensas. Exigem muito dos profissionais e das ferramentas que utilizam, qualquer problema, como uma pane no sistema ou instabilidade que...

Desempenho da RTM é valorizado pelos clientes

Em estudo realizado com os clientes, no final de 2019, através do Instituto H2R Pesquisa, a atuação da RTM foi muito valorizada, obtendo um aumento de 10% nas notas acima...

RTM coordena GT de Resiliência Cibernética

O Gerente de Segurança da RTM, Renan Barcelos, foi escolhido para coordenar o Grupo de Trabalho de Resiliência Cibernética criado por empresas denominadas Infraestruturas do Mercado Financeiro (IMFs). Participam Banco...