Logo RTM

Compartilhe

PLDFT: como prevenir a lavagem de dinheiro em instituições financeiras
PorRTM
Imagem de capa do post de blog sobre PLDFT: prevenção de lavagem de dinheiro em instituições financeiras.

A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo, ou PLDFT, é um conjunto de iniciativas mundiais para combater crimes financeiros. Neste artigo, você vai conferir a exigibilidade da autarquia sobre esse modelo e de que maneira é possível cumpri-la.

Seguindo essas determinações e estando de acordo com orientações do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CNSU), as instituições financeiras devem formalizar práticas internas consistentes para assegurar a idoneidade e a segurança do seu funcionamento.

Há fortes evidências de que essa é uma preocupação crescente para o setor. Uma pesquisa da PwC, por exemplo, revelou que, no Brasil, deve haver maior cautela com fraudes bancárias, corrupção e outros crimes econômicos

Enquanto 46% das organizações globais alegam ter passado por essa situação entre 2020 e 2022, o percentual em nosso país subiu de 46% para 62%

Então, confira, a seguir, os fundamentos básicos do PLDFT e o que o seu negócio deve fazer para atendê-los visando um processo de transformação digital sólido e protegido

Quais são os principais pilares da PLDFT?

O mercado financeiro e de capitais deve adotar procedimentos para evitar contravenções penais seguindo estruturas que confrontem qualquer indício de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo. 

Podemos listar como principais pilares da PLDFT ações para:

  • estabelecimento de procedimentos e responsáveis pela utilização de novas tecnologias e avaliação de riscos internos de produtos e serviços;
  • construção e difusão de uma cultura fortalecida em princípios de oposição a atos criminosos;
  • cumprimento e atualização constante sobre as normas de regulação das atividades

Com o objetivo de mitigar riscos e aprimorar o compliance das Leis n.º 9.613/98 e 13.260/16 , o Banco Central do Brasil (Bacen) publicou, em 2020, a Circular n.º 3.978, com diretrizes voltadas a:

  • políticas;
  • procedimentos;
  • controles internos.  

Na sequência, vamos abordar cada ponto destacado pelo Bacen a esse respeito de forma a mapear as necessidades para enquadrar as rotinas das empresas às regras. 

Como prevenir lavagem de dinheiro nas instituições financeiras?

As resoluções para prevenir lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo são baseadas em cinco critérios. Saiba mais sobre cada um deles nos tópicos a seguir. 

Porém, antes, vale lembrar: cabe a cada instituição adequar suas atividades às exigências previstas. Por essa razão, buscar parcerias especializadas para resguardar negócios financeiros de forma ágil e em totalidade pode ser a melhor solução. 

>> Conheça a solução SWIFT da RTM, que oferece infraestrutura com recursos avançados de segurança, resiliência e compliance para operações bancárias! 

Vigilância sobre as operações e transações

Organizações reguladas devem prever mecanismos para detecção de situações atípicas, contemplando a  Avaliação Interna de Risco (AIR) prevista para a PLDFT. Isso vale para:

  • produtos oferecidos e serviços prestados;
  • canais de distribuição;
  • ambientes de negociação e registro.

As metodologias incorporadas com essa finalidade precisam ser revistas periodicamente, levando em consideração os riscos dinâmicos e as atualizações contínuas das autarquias.

É fundamental apoiar a análise de efetividade das medidas tomadas em indicadores de segurança que possam comprovar e classificar a evolução de aspectos pertinentes à legalidade das operações.

Atenção com a estrutura organizacional

Assegurar um programa interno de PLDFT independente das áreas de negócios e com autonomia é essencial para que não haja conflitos de interesse e fatores limitantes para sua implementação. 

A partir disso, segundo instruções sugeridas por um guia da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (ANBIMA), é preciso buscar:

  • meios efetivos de comunicação interna, como a criação e uso de manuais e outros veículos capazes de divulgar os procedimentos a serem seguidos internamente;
  • consultas frequentes a listas restritivas, órgãos reguladores e bancos de dados;
  • métodos para notificação de casos aplicáveis às autoridades envolvidas ao sinal de qualquer inconformidade. 

É importante que a alta administração eleja um responsável ligado ao nível máximo de hierarquia da organização para assumir o compromisso com as leis de prevenção à lavagem de dinheiro e outros crimes. 

Indica-se, também, a criação de comitês e fóruns de discussão sobre o assunto, bem como a oferta de treinamentos constantes aos profissionais da instituição. 

Conhecimento sobre clientes

O conjunto de regras de Know Your Client (KYC) — ou, em português, “Conheça Seu Cliente” — é crucial para legitimar as atividades da sua instituição. Reunir dados sobre seus clientes é primordial para não ingressar em esquemas fraudulentos. 

Em tempos de digitalização e de novos modelos de negócios, deve haver cuidado redobrado. 

A pesquisa da PwC que citamos na abertura do artigo averiguou que, globalmente, quatro em cada dez organizações que registraram alguma fraude entre 2020 e 2022 tiveram, entre as causas raiz mais observadas, alguma falha em plataformas digitais para procedimentos de KYC

Cumprir requisitos de suitability, portanto, é um ponto indispensável para precaver-se contra a participação em cenários de lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo.

Especificações para Pessoa Exposta Politicamente

O Bacen ressalta uma atenção especial para categorizar e qualificar clientes entendidos como Pessoa Exposta Politicamente, ou seja:

  • nomes eleitos para os três poderes (Legislativo, Executivo ou Judiciário);
  • membros do Tribunal de Contas da União (TCU);
  • integrantes do Ministério Público;
  • pessoas ligadas à administração de estados e municípios;
  • funcionários de empresas estatais;
  • sócios de negócios de economia mista.

A Circular de PLDFT prevê o monitoramento, ainda, de parentes e colaboradores diretos de pessoas classificadas nas condições acima. 

Comunicação com autoridades regulatórias

Negócios envolvidos em atividades financeiras devem instituir processos para comunicar imediatamente à sua área de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo qualquer sinal ou suspeita de desvio dos padrões de checagem. 

Assim que as devidas análises forem concluídas, se alguma irregularidade for confirmada, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) precisa ser avisado sobre transações ou propostas relacionadas ao caso em até vinte e quatro horas

Outras regras e penalidades importantes para o segmento financeiro

O que vimos até aqui corresponde somente a uma parte de todos os requisitos impostos às atividades no âmbito econômico. Em se tratando de meios de pagamento, por exemplo, há uma série de determinações a serem criteriosamente obedecidas

Para facilitar seu acesso a essas informações, a RTM compilou normas e desafios em um material completo sobre o tema!

>> Faça o download do whitepaper gratuito sobre compliance para meios de pagamento e supere os desafios de regulação do seu negócio! 

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Elemento_RTM_Site
    Plataforma Hub Fundos ganha novo integrador: BRITech
    Executivos conversam e visualizam o infográfico sobre presente e futuro dos meios de pagamentos em tablet.
    O presente e o futuro dos meios de pagamentos: Banco 3.0, Open Finance, Banking as a Service e outras tecnologias
    Imagem de nuvens do céu que representam a nuvem de TI. A pergunta "É seguro manter dados financeiros na nuvem?" aparece para representar a indagação feita no artigo.
    Dados financeiros na nuvem: 5 dúvidas respondidas