Logo RTM

Compartilhe

Open Finance no Brasil: sua instituição está preparada para os novos desafios?
PorRTM
Head de produtos de uma instituição financeira clica em quiz sobre Open Finance no Brasil.

O Open Finance é uma evolução do Open Banking, passando agora a englobar o sistema financeiro como um todo: bancos, fintechs, seguradoras, cooperativas, etc. Ainda em fase de implementação, esse “sistema financeiro aberto” vai permitir o compartilhamento de dados com outras instituições do interesse em benefício dos clientes.

A intenção é estimular a competição entre as instituições, diversificando as ofertas de produtos e serviços financeiros para o cliente, que terá mais opções de escolha conforme suas necessidades. No entanto, o compartilhamento desses dados deve estar sujeito a normas rígidas de segurança.

A preocupação com fraudes e vazamento de dados é, inclusive, um dos desafios do Open Finance no Brasil. Além disso, a infraestrutura precária das instituições também é um entrave, sobretudo considerando-se a quantidade de informações que os clientes poderão compartilhar no Open Finance brasileiro – diferentemente do que acontece em outros países.

Nesse sentido, as instituições precisam estar muito bem preparadas para aderirem a esse fenômeno com segurança, transparência e confiabilidade. Assim, os clientes não ficarão receosos quanto à adesão. Vale lembrar que eles serão grandes beneficiados dessa prática, pois a competição entre as instituições vai favorecer a variedade e a eficiência dos serviços prestados.

As vantagens se estendem para as instituições no que diz respeito às novas possibilidades de prospecção de clientes a partir da oferta de produtos e serviços personalizados. O consumidor, por sua vez, terá maior liberdade e poder de gestão sobre o seu próprio histórico financeiro, podendo receber a oferta de produtos e serviços de instituições que ele sequer teve relação de consumo anteriormente.

Por outro lado, essa liberdade e autonomia reforça a importância de um processo de implementação rígido e cauteloso. A adequação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é peça-chave nesse processo. Todas as etapas de implementação do Open Finance estão sujeitas às normas da LGPD, cabendo às instituições seguir à risca os critérios e regras pré-definidas.

Uma combinação estratégica dessas normas com tecnologias inovadoras é o que possibilita as instituições manterem os níveis de governança e compliance apropriados para o Open Finance. Além do investimento em softwares especializados, é necessário fomentar a cultura do Open Finance dentro das instituições, evidenciando os benefícios envolvidos para todas as partes.

Quer saber se a sua instituição está devidamente preparada para esses desafios?

Responda nosso quiz e confira os resultados! Você também irá receber um material bônus com tudo que precisa saber para superar os desafios do Open Finance.

Acesse o conteúdo e prepare-se para o futuro do mercado financeiro!

 

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Arte que mostra a tela da solução RTM Community, que facilita a comunicação entre traders.
    Ferramenta para otimizar a comunicação entre traders: conheça a RTM Community
    Imagem ilustrativa para texto do blog da RTM que explica o que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso.
    O que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso?
    Imagem de capa do post de blog sobre PLDFT: prevenção de lavagem de dinheiro em instituições financeiras.
    PLDFT: como prevenir a lavagem de dinheiro em instituições financeiras