Logo RTM

Compartilhe

Evolução das fintechs no Brasil
PorRTM
Um grupo de jovens executivos conversam em um escritório. Embaixo há a frase: "Fintechs: crescimento recorde em investimentos".

Quando se fala em evolução de startups no Brasil, muito provavelmente vem à mente um case de sucesso de alguma fintech. Elas se propõem a modernizar e otimizar os serviços do burocrático sistema financeiro. Em relação aos tradicionais monopólios desse segmento comercial, as fintechs têm como um de seus diferenciais, o propósito de digitalizar todos os processos do início ao fim, ao lançar produtos e/ou serviços pioneiros e inovadores até então.

Em consequência de um sistema altamente regulado e obsoleto, as fintechs no Brasil encontraram o ambiente propício para se tornarem as precursoras do desenvolvimento de um ecossistema de revolução tecnológica, inovação aberta e totalmente escalável, que o mercado e a sociedade vivenciam hoje.

O Distrito Dataminer, – área de inteligência de mercado do Distrito –, analisa a evolução das fintechs no Brasil nos últimos anos e, desde então, é possível perceber um crescimento constante do segmento no país. No mais recente estudo publicado, foram mapeadas 876 fintechs, 562 investimentos e 44 aquisições, todos eles com a intenção de desburocratizar todas as categorias de atividades ligadas ao mercado financeiro. E estão conseguindo.

Neste artigo, você irá entender mais sobre a evolução das fintechs no Brasil em 2020. Para isso, os dados foram retirados do mais recente Inside Fintech Report para trazer os dados mais relevantes sobre este nicho pioneiro no ecossistema de startups que não para de crescer. E adiantando, as previsões para o futuro são ainda mais animadoras.

Evolução

Com uma base de dados viva e em contínua atualização, todos os meses são acrescentadas novas transações ainda não registradas. Só entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, 36 novas fintechs foram mapeadas e 30 rodadas de investimentos aconteceram. É nítido que o ecossistema encontra-se em um ótimo momento, nem mesmo as dificuldades enfrentadas em função da Covid-19 tiveram um impacto negativo tão marcante. De acordo com o report, o número de funcionários contratados no setor de fintechs cresceu 13,43% em 2020. Este ano, com um cenário mais estável, espera-se que as contratações continuem aumentando em dimensões de alta escala.

Entre as categorias que diferenciam as startups financeiras, meios de pagamento é a maior do setor. O segmento também ocupou as três primeiras posições no ranking de empresas que mais cresceram a partir da contratação de novos funcionários. O destaque vai para as startups: PagSeguro, Stone e PicPay. Para chegar a esse resultado, o Distrito Dataminer utilizou um algoritmo próprio para obter um score de aumento de funcionários, sendo baseado em uma média entre crescimento absoluto e crescimento relativo. Depois de meios de pagamento, back office e crédito, ocupam, respectivamente, as primeiras colocações de principais categorias em quantidade de startups.

Investimentos em fintechs

A evolução das fintechs no Brasil está completamente relacionada ao fato de o setor ser o principal captador de investimentos no ecossistema de startups. Ao todo, mais de US$ 1.9 bilhão foram investidos em fintechs em 2020. Com um crescimento recorde, o aporte, distribuído em 115 rodadas de investimentos, foi 68% maior em relação ao volume, do que em comparação a 2019. Assim, o segmento se mantém como recordista em volume e número de captações de capital e a perspectiva para os próximos anos é que esses avanços continuem.

Somente em dezembro de 2020, foram aplicados mais de US$ 580 milhões em fintechs por meio de 9 rodadas de investimentos, mês com valor recorde no ano. Seguido de setembro com US$ 447 milhões e junho com US$ 338 milhões. A categoria que mais recebeu aportes no ano passado foi a de serviços digitais, que apresentou uma variação positiva de 84%, passando de US$ 506 milhões em 2019, para US$ 931 milhões em 2020. Os vencedores na classificação de principais rodadas de investimentos do ano foram o Nubank e o Neon, ambos com US$ 300 milhões captados.

Leia também: Infraestrutura e TI nas fintechs: por que adotar um cloud server especializado.

Fusões e aquisições

Que o ano de 2020 foi de muita evolução para as fintechs já está provado. Outro fator que comprova essa afirmação são os números de fusões e aquisições. Ao todo, foram 21 novas transações de M&A, um aumento de 200% em relação ao ano anterior, que teve 7 parcerias fechadas. Com essas mega negociações, os primeiros empreendedores e investidores que apostaram no setor financeiro começam a ser premiados por todo o trabalho desenvolvido dentro do ecossistema.

Este texto foi escrito e produzido pelo time do Distrito, que conta com a parceria da RTM. 

 

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Elemento_RTM_Site
    Plataforma Hub Fundos ganha novo integrador: BRITech
    Executivos conversam e visualizam o infográfico sobre presente e futuro dos meios de pagamentos em tablet.
    O presente e o futuro dos meios de pagamentos: Banco 3.0, Open Finance, Banking as a Service e outras tecnologias
    Imagem de nuvens do céu que representam a nuvem de TI. A pergunta "É seguro manter dados financeiros na nuvem?" aparece para representar a indagação feita no artigo.
    Dados financeiros na nuvem: 5 dúvidas respondidas