Logo RTM

Compartilhe

Cloud-first: como funciona e como implementar em instituições financeiras
PorRTM
Texto sobre o que é uma estratégia cloud first e como implementá-la em instituições financeiras.

Aumentar a capacidade de dados, a segurança e a agilidade para as operações são motivações suficientes para incorporar estratégias de cloud-first em instituições financeiras

A pesquisa Accenture Technology Vision, de 2021, apontou que 94% dos executivos bancários entrevistados projetam a inclusão de 50% ou mais dos negócios das suas organizações financeiras na nuvem nos próximos três anos. 

Você já pensou em considerar esse formato de ambiente para a sua empresa? É possível equilibrar segurança e compliance e seguir o ritmo de transformações com a arquitetura de nuvem no lugar da infraestrutura de TI. 

Descubra como fazer isso com a leitura deste artigo!

O que é e como funciona o cloud-first?

Cloud-first indica a priorização da nuvem como ambiente de hospedagem das aplicações de uma empresa. Ou seja, seguindo a própria tradução do termo em inglês para o português, quer dizer “nuvem primeiro”. 

O cloud-first é a base de uma transformação digital conduzida por exponencialidade e inovação, e passou a ser incorporada de forma acelerada pelo mercado em geral com a crise do COVID-19. 

Falando especificamente das instituições financeiras, os objetivos dessa tecnologia se resumem a:

  • melhorar a resiliência da corporação;
  • reduzir custos;
  • atender às expectativas dos clientes;
  • impulsionar a inovação;
  • tornar o negócio mais responsivo. 

As fintechs são um bom exemplo de cloud-first. Agora, as instituições mais tradicionais também seguem uma corrida para esse mesmo caminho

Podemos citar o caso do HSBC, que utiliza esse tipo de serviço para apurar atividades criminosas, e da bolsa do Brasil, a B3, que pretende concluir a migração dos sistemas para a nuvem em dez anos a partir de 2022. 

Qual a diferença entre cloud-first e cloud-only?

Apenas na nuvem. É assim que podemos traduzir o termo “cloud-only”, para compreendermos que ele é um avanço do cloud-first. Portanto, empresas que aderem ao cloud-only têm seu armazenamento, desenvolvimento e processos baseados exclusivamente na nuvem.

Nenhuma ferramenta opera offline e os dimensionamentos de necessidades de cada aplicativo ou software são calculados automaticamente. A equipe de TI não precisa fazer ajustes de data center, e pode se dedicar a assuntos e tarefas mais importantes nas rotinas.

Como implementar o cloud-first em instituições financeiras?

Pessoas, cultura e lideranças são os três pilares essenciais para que uma estratégia de cloud-first obtenha sucesso em uma instituição financeira. Estudar e rever arquiteturas dos workloads é outro ponto imprescindível. 

O planejamento deve levantar:

  • performance;
  • continuidade;
  • custos;
  • processos de segurança;
  • responsabilidades do provedor;
  • análise de vulnerabilidades;
  • requisitos exigidos para compliance.

Isto é, a implementação do cloud-first exige o cumprimento de um checklist extenso, com alta demanda de conhecimento técnico envolvido

Por essa razão, contar com um fornecedor com know how sobre o mercado financeiro é a melhor maneira de realizar a transição com tranquilidade. 

Contratar um cloud provider especializado não só dinamiza a jornada como também garante um suporte qualificado para a resolução de imprevistos, em compliance com os reguladores.

Baixe o eBook e conheça os 7 problemas de não ter um cloud provider especializado no setor financeiro

E-book 7 problemas de não ter um cloud provider especializado no setor financeiro

Por que investir em uma estratégia cloud-first?

Podemos fazer uma lista dos benefícios que justificam investimentos em cloud-first nos serviços financeiros, como:

  • mais segurança;
  • processamento de grandes quantidades de dados;
  • gerenciamento de riscos mais apurado;
  • escalabilidade;
  • projetos mais eficientes.

Confira, em detalhes, cada um dos tópicos acima:

Mais segurança

Quando o cloud-first conta com soluções alinhadas aos parâmetros exigidos, a nuvem é altamente confiável para manter dados e operações seguros

Isso eliminou o temor dos bancos mais tradicionais, que por um bom tempo resistiram à tecnologia justamente pela impressão de que as informações pudessem estar mais vulneráveis. 

As regulamentações do Bacen e da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), junto à profundidade e velocidade das análises para detectar ameaças de ataques cibernéticos, formam o conjunto ideal para a redução de fraudes.

Gerenciamento de riscos mais apurado

A diminuição expressiva do tempo de processamento das informações e a disponibilidade de ferramentas e modelos mais flexíveis de computação elástica das plataformas elevaram as projeções de risco a outro nível. 

Todos esses recursos multiplicaram o poder de simulações, e passaram a fazer em horas o que antes era operacionalizado em dias

Processamento de grandes quantidades de dados

Dados de variadas fontes, diversos formatos e em grandes volumes são um desafio para armazenagem e integração das informações em bancos. Sem uma visão completa e unificada, insights valiosos podem se perder. 

A nuvem trouxe a possibilidade de gerenciar tudo isso com facilidade e rapidez. Sem a necessidade de configurações especializadas entre os sistemas de um banco e os de terceiros, interfaces padronizadas compartilham recursos e dados sem complicações. 

Escalabilidade

Em vez de modificar estruturas físicas, tudo fica muito mais simples quando é feito na nuvem. Ampliar o uso de sistemas e recursos ou aumentar a capacidade de gerenciamento de informações, por exemplo, são ações realizadas de forma ágil ou mesmo automaticamente

Dessa forma, o crescimento e o desenvolvimento do negócio não passam por entraves de infraestrutura e mantém o alto desempenho.  

Projetos mais eficientes e cliente mais satisfeito

Além da velocidade na entrega de serviços, o cloud-first favorece o uso de features como motores de Inteligência Artificial (IA)

Com dados sobre usabilidade e experiência do público, a sua empresa compreende com mais precisão as dores dos clientes em escala, o que reflete diretamente no viés estratégico e na proposição acertada de soluções. 

Cloud ou on-premise: o que é mais indicado para o seu workload?

Avaliar o momento certo para implementar o cloud-first deve ser o primeiro passo antes de qualquer decisão. 

Pensando nisso, a RTM formulou um quiz para ajudar a identificar qual é o melhor ambiente para a sua instituição financeira de acordo com a realidade do seu negócio:

Faça um quiz gratuito e descubra se você deve apostar no modelo cloud-first ou on-premise! 

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Arte que mostra a tela da solução RTM Community, que facilita a comunicação entre traders.
    Ferramenta para otimizar a comunicação entre traders: conheça a RTM Community
    Imagem ilustrativa para texto do blog da RTM que explica o que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso.
    O que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso?
    Imagem de capa do post de blog sobre PLDFT: prevenção de lavagem de dinheiro em instituições financeiras.
    PLDFT: como prevenir a lavagem de dinheiro em instituições financeiras