Logo RTM

Compartilhe

Armazenamento de dados: quais são os maiores riscos e como evitá-los
Thumnail post Armazenamento de dados: quais são os maiores riscos e como evitá-los

Implementar ou ampliar uma infraestrutura local custa caro – o valor de um storage pode chegar aos milhões de reais. Porém, o poder computacional, seja para processamento ou armazenamento de dados, não é mais um recurso difícil para as empresas obterem. 

Boa parte disso se deve à cloud. De uma infraestrutura interna cara, difícil de manter e de escalar, as organizações passaram a ter a opção de um modelo de pagamento recorrente, baseado no uso, com manutenção terceirizada e escala em questão de instantes. 

Na cloud, é muito mais fácil iniciar o processo de armazenamento e gestão dos dados. Outro atrativo dessa tecnologia é a otimização de recursos, uma vez que as corporações investem apenas na capacidade que precisam naquele momento. A expansão acontece conforme a necessidade, evitando gastos desnecessários com equipamentos que muitas vezes nunca serão utilizados.

O setor financeiro, no entanto, não adotou a cloud no mesmo passo de outros setores. O armazenamento local de dados ainda permanece a realidade para grande parte das instituições financeiras, não apenas no Brasil, mas no mundo. É pouco a pouco que esse cenário vem se transformando, com os servidores próprios sendo substituídos pelos serviços de nuvem. 

Boa parte da hesitação do setor financeiro em relação à cloud se dá em virtude dos riscos e problemas do armazenamento de dados na cloud

Que riscos e problemas são esses? E como os provedores lidam com eles? É o que veremos neste artigo.

5 riscos do armazenamento de dados na cloud

Antes de falar dos riscos do armazenamento de dados na cloud propriamente ditos, é preciso desfazer um mito. O armazenamento de dados na cloud é extremamente seguro. Os provedores têm protocolos e medidas consistentes de segurança, além de equipes especializadas, para endereçar todos os riscos a que os dados estão sujeitos. 

Não apenas isso. Provedores também precisam manter os dados de seus clientes disponíveis, mesmo quando há um caso real de falha em andamento, por meio de protocolos de data recovery e outros. 

Isso significa que, mesmo que algo aconteça com os servidores, os provedores garantem que seus dados poderão ser recuperados. Poucas organizações conseguem rivalizar com os provedores em questão de segurança

Ainda assim, dados podem estar sempre em risco, mesmo com níveis inigualáveis de segurança.

Que tipo de riscos estão ligados ao armazenamento de dados?

1. Os dados estão em outro lugar

Esse é um dos riscos mais temidos no setor financeiro: mesmo que os provedores não tenham acesso aos dados (e eles não têm), os dados simplesmente estão em máquinas off-site, que são de outra empresa. A simples ideia da terceirização da infraestrutura pode ser vista como um risco, já que afeta diretamente o poder de controle da instituição.

2. Armazenamento compartilhado

Em alguns casos, servidores e storages podem ser compartilhados, não dedicados. Embora com todas as medidas de segurança, pode acontecer de um agente malicioso invadir outros dados e afetar os seus. Esse é um evento muito raro, mas é um risco. 

3. Quedas de servidor

Embora com chances remotas, pode acontecer uma queda tão extensa nos servidores que afete temporariamente sua capacidade de acionar dados armazenados.

4. Cibercrime

O volume de casos de roubo de dados bem-sucedidos está aí para provar que o cibercrime é uma ameaça real ao armazenamento de dados. Para assegurar a confidencialidade, integridade e disponibilidade, alguns dos mecanismos que garantem um ambiente mais robusto e seguro são:

Leia também: RTM firma parceria com Kryptus e Ecoscard para solução HSM

O estado da segurança no armazenamento de dados

De acordo com o Security Intelligence Report in Financial Services e Banking Sector, é preocupante o estado do armazenamento de dados ao redor do mundo.

O estudo mostra que, para 69% dos respondentes, qualquer tipo de falha de segurança em armazenamento e backup teria um significativo impacto na organização.

No entanto, isso não se traduz em ações: storage e backup são as áreas de menor foco dos programas de gestão de riscos. Os motivos giram em torno de: 

  • falta de patrocínio da gestão;
  • budget insuficiente;
  • falta de profissionais;
  • silos entre setores, como infraestrutura e segurança;
  • mudanças constantes nos requisitos e prioridades, entre outros.

Consequentemente, 52% dos respondentes da pesquisa afirmam que não têm total confiança sobre a segurança de seu storage. Da mesma maneira, 59% dos questionados afirmam que também não confiam completamente na capacidade de recuperação da empresa de um ataque como o ransomware

Se esse é o quadro, não seria o momento de considerar uma gestão de segurança terceirizada? Vamos comparar armazenamento local com armazenamento em nuvem.

Armazenamento local x armazenamento na nuvem

O principal motivo apontado pelas organizações que seguem investindo em uma infraestrutura própria de servidores é o controle e gerenciamento de dados. A justificativa é que o ambiente interno oferece mais privacidade, sendo a única forma possível de atender os requisitos regulatórios e de governança.

Mas o fato é que com o avanço da tecnologia e da própria legislação, mas com a criação de players especializados como a RTM, a nuvem é capaz de responder aos mais altos protocolos de segurança. Assim, a instituição tem a responsabilidade compartilhada em segurança de gestão de riscos com seus provedores de nuvem.

Essa dinâmica, inclusive, é uma grande vantagem. Com o apoio de uma empresa especializada, os bancos e instituições financeiras conseguem fazer uma gestão proativa de riscos em segurança mesmo quando não têm equipe dedicada.

A possibilidade de reduzir custos é outra vantagem de investir na nuvem

Não é raro entre as organizações que optam pelo armazenamento local a compra de uma quantidade enorme de estocagem, sendo que apenas uma baixa porcentagem é realmente utilizada. Esse sistema gera ineficiência de duas formas: primeiro pelo desperdício de recursos e depois porque a infraestrutura não utilizada consome bastante energia.

Ao adotar o armazenamento na nuvem, as instituições usam exatamente a capacidade que elas necessitam, um processo muito mais flexível e inteligente pela elasticidade. Caso a demanda aumente, é possível ajustar os contratos, mantendo a tecnologia sempre atualizada, mas sem gerar um grande impacto nas finanças.

Assim, no quesito gestão de riscos, as instituições ganham um corresponsável para atuar junto e, na questão de custos, elas ganham acessibilidade a inúmeros recursos que só um provedor especialista consegue manter.

Cloud banking: o futuro das instituições financeiras

Com essas vantagens da nuvem, o armazenamento externo tem se tornado indispensável para empresas de todos os segmentos. Isso se demonstra ano a ano nos crescentes investimentos em cloud. De acordo com dados da GVR, o mercado de cloud (IaaS, PaaS e SaaS) deve crescer de 2022 até 2030 a uma taxa de anual de 15,7%, alavancado não só pelo poder de armazenamento, mas pelo crescimento da introdução de tecnologias como inteligência artificial e machine learning.

Outro estudo, dessa vez da Deloitte, mostra que em 2030 o cenário dos bancos será totalmente diferente. As instituições financeiras terão que encontrar alternativas para se adaptarem às novas situações. 

Os provedores de nuvem oferecem uma variedade de produtos-as-a-service em suas plataformas que podem ajudar as instituições de várias formas:

  • melhorando a geração de receita;
  • aumentando a percepção dos clientes ao entregar novos produtos ao mercado rapidamente;
  • contendo custos; e
  • oferecendo análises avançadas.

Nesse processo, receios estão relacionados aos custos e aos esforços de migração. 

Baixe o e-book: Descomplicando a migração para a cloud

Conte com um especialista em jornada cloud para o mercado financeiro

Para dirimir dúvidas e fazer junto a migração, as instituições se beneficiam do apoio da expertise de um cloud provider especializada no setor. A RTM está à frente desse movimento no Brasil, atuando lado a lado com instituições que migraram, que estão em sua jornada ou que já nasceram na cloud.

A RTM oferece às instituições financeiras uma infraestrutura completa e flexível para cloud services. Além de uma infraestrutura moderna, contamos com sistemas de rastreamento e bloqueio automático de códigos maliciosos e sites de conteúdo nocivo, com ferramentas de firewall, antivírus e prevenção de intrusão.

Temos um backup robusto que garante a disponibilidade com segurança de dados do cliente em máquinas localizadas dentro da RTM. Isso permite a restauração em caso de perda acidental de informações e recuperação total de dados qualquer que seja o problema.

Leia também: Conheça os benefícios e diferenciais do cloud services RTM »

Além disso, você tem à disposição o apoio e a segurança de uma gestão próxima, que fará com você desde a escolha da melhor solução para o seu momento, passando pelo setup, pela gestão de riscos, até o suporte

Quer conhecer todas as nossas soluções para bancos e instituições financeiras? Entre em contato conosco e saiba como realizar a migração da infraestrutura da sua empresa para a nuvem.

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Arte que mostra a tela da solução RTM Community, que facilita a comunicação entre traders.
    Ferramenta para otimizar a comunicação entre traders: conheça a RTM Community
    Imagem ilustrativa para texto do blog da RTM que explica o que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso.
    O que é cloud native e por que o mercado financeiro deve se atentar a isso?
    Imagem de capa do post de blog sobre PLDFT: prevenção de lavagem de dinheiro em instituições financeiras.
    PLDFT: como prevenir a lavagem de dinheiro em instituições financeiras